segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Beetle à pilha e Jetta meia-pilha


Como diria o amigo Zullino, mais um carro à pilha. Mas não tem jeito, seja por acumulador químico ou por capacitor, a propulsão magnética não tem volta.

Quem já teve daqueles Fuscas bate-e-volta da Estrela, provavelmente sonhou em ter um de verdade. Não será desta vez, mas algo que lembra bastante o Fusca, vendido como Volkswagen Beetle, surpreendeu a imprensa internacional em Detroit, ao aparecer em uma versão eléctrica baptizada E-Bugster; sem previsão para entrar em produção.

A autonomia declarada é de 160km na estrada, e até 180km na cidade; lembremos que o motor eléctrico dispensa trocas de marchas (quando o carro tem) e assim acaba rodando mais nas baixas velocidades e no anda-e-pára da cidade, ao contrário do motor à combustão. Por isso os híbridos estão fazendo sucesso.
A potência declarada é de 116cv (com certeza de pico) e torque de 27,5kgfm. As baterias somam 315kg, podendo ter (embora deva-se evitar) 80% da carga completa em meia hora. Com essa massa, um banco de baterias de íon de lítio de alta qualidade (como as utilizadas no E-Bugster) pode debitar de 48 a 50cv em uma hora, então a potência nominal do motor não deve ser maior do que a de um Fusca 1600 à gasolina. Mesmo sendo74mm mais baixo do que o Beetle "original", a largura de carro médio acresce muito à área frontal, aumentando o arrasto aerodinâmico, em suma: Se um dia for produzido (servirá de laboratório para o fraco Golf eléctrico) não tente disputar com um Fusca Itamar, o vexame será iminente. Caso os 85kW sejam nominais, trata-se de um carro divertido e bom de arrancada, mas a brincadeira duraria menos de meia hora... Numa emergência, como com a mulher quase dando à luz, está óptimo.


As baterias e o motor são instalados na traseira, dando-lhe muito mais de Fusca do que tem o modelo de linha.



O Jetta híbrido também foi apresentado, dotado do já conhecido (lá fora) 1.4TSI de 150cv, com câmbio de sete marchas, desta vez auxiliado por um motor eléctrico de 20kW, ou 27,2cv; o que seria suficiente para ele rodar a 110km/h ou mais. Infelizmente o medo mórbido da VW para com as baterias limita sua ação a dois míseros minutos a 70km/h, no modo eléctrico... não dá nem 2,5km. Trocando em miúdos, o modo eléctrico é só um auxiliar de baixa patente, que de vez em quando empurra o carro sozinho. O consumo informado é de 19,2km/l; um pouco mais econômico do que o Fusion Hybrid.

O bom desempenho do Jetta híbrido, para um sedã familiar se traduz em cerca de 226km/h de velocidade máxima e acelerar de 0 a 100km/h em 8,1s. O preço, quando desembarcar por cá, deve ficar no nível do concorrente directo, cerca de R$ 130.000,00.

3 comentários:

  1. O Jetta não é meia-pilha. É um oitavo de pilha.

    ResponderExcluir
  2. E nem é pilha alcalina, é da baratinha, de zinco.

    ResponderExcluir
  3. E nem é Rayovac ou Eveready. É daquelas que vem da China via Paraguai mesmo.

    ResponderExcluir